19 de Abril de 2017 | 20h26

Janelas Killer

Por André Uébe


Whatsapp

Em seu interessante artigo denominado “As três Janelas da Mente”, o parapsicólogo Francisco Schork esclarece sobre o Sistema Grisa que, conforme a parapsicologia, define-se como o sistema subconsciente que age autonomamente ao consciente. Neste universo, o psiquiatra e terapeuta Augusto Cury traz o conceito de Janelas Neutras, Janelas Traumáticas e Janelas Saudáveis. Para Cury, estas janelas surgem a partir de gatilhos de memória, no subconsciente humano e que, quando acionados diversas vezes,  tornam-se responsáveis por dar significados às formas, sons, imagens e ao nosso mundo interior e exterior.

Conforme Schork, as Janelas Traumáticas ou Janelas Killer, em especial, são as responsáveis pelo registro de experiências fóbicas, ou seja, àquelas relacionadas a sentimentos como perdas, frustrações, privações, culpas entre outros. Apesar de não afetar imediatamente o corpo físico, estas janelas acabam por acorrentar o indivíduo em seu subconsciente, impedindo que o mesmo seja conscientemente gestor de sua própria vida. Quando o indivíduo se vê defronte a uma janela Killer, suas emoções disparam incontrolavelmente e suas ações conscientes acabam ficando relegadas a um segundo plano de controle. Dan Brown em seu livro “10% Mais Feliz” dá uma boa dica sobre como é possível mapearmos as emoções como processo de entendimento e controle das ações pessoais decorrentes delas, uma vez que não podemos controlar nossas emoções, mas podemos controlar nossas atitudes diante delas, por meio de meditação, oração e reflexão. As emoções podem se manifestar fisicamente no peito, no estômago, na cabeça e tentar enxergar as manifestações físicas das nossas emoções é um grande primeiro passo.

Em vários momentos da vida, lidamos com situações que nos remetem à uma situação fóbica, a uma Janela Killer. Quando isto acontece, os pensamentos negativos vêm como em enxurrada e o ego toma força com frases de efeito como “não sou amado”, “o outro é melhor eu”, “não fui devidamente valorizado”, “o outro me feriu” entre outras. E geralmente quando isto acontece, nos apavoramos diante destas fobias e reagimos com imprudência que, ao final, acaba intensivando ou antecipando o fato que temíamos ou tentávamos evitar de ocorrer. 

Inaptos a enfrentar estes monstros interiores, nos acuamos ainda mais como fragilizadas e desprotegidas crianças, ou atacamos o outro pela raiva e desejo de ferir. No primeiro caso, reforçamos o sentimento de culpa. No segundo caso, reforçamos o se sentimento de mágoa. Mas em ambos os casos, criamos um escudo que nos protege e afasta da Janela Killer em questão. Mas também nos impede de superá-la.  Em ambos os casos, fazemos uma transferência do problema para alguma instância de nós, como o Id (uma parte de nossa personalidade) que, de forma repressora, assumirá a culpa por todo o ocorrido, ou ainda, para terceiros que se tornam culpados pelo nosso sofrimento, expresso por meio de mágoa e raiva. 

Em ambos os casos, estamos fugindo de nós mesmos. Como animais acuados incapazes de enfrentar nossas Janelas Killer, ou os monstros que se mostram nela, toda a ação consciente se torna mais difícil, uma vez que estamos inundados por sentimentos fóbicos. E daí, surgem as crises de pânico, quando a incapacidade de estar diante das fobias transbordam em ansiedade para o corpo físico, gerando palpitações cardíacas, sudorese descontrolada, insônia, mal humor, dificuldade de respirar, além de golfantes e massacrantes pensamentos desconexos da realidade.

Por esta razão algumas situações negativas vivenciadas parecem ser repetitivas. Pois quando ocorrem, tanto quanto as neutras e saudáveis, nos colocam diante de alguma Janela Killer que nunca saiu do lugar de onde foi criada dentro de nós. Não há como destruir uma Janela Killer, mas há como sobrepô-la com uma Janela Saudável, a ponto de que estar diante da primeira não mais nos fará perder o controle consciente, por meio de sentimentos desconexos. Isto é a superação.

Portanto, quando a ansiedade e o pânico baterem, ou quando a raiva a determinado indivíduo ou situação estiverem no domínio dos pensamentos, lembre-se que estamos apenas fazendo transferência de foco, como mecanismo de defesa, para o verdadeiro propósito que é o de conseguir sobrepor uma Janela Killer por uma Janela Saudável. Portanto, culpar a si mesmo ou ter raiva do outro só irá adiar e nos tornar mais expostos a situações desagradáveis e que só expressam a necessidade de nos resolvermos dentro de nós.

Professor, Administrador, PhD


Mais Artigos


José Luiz Pimentel Batista

Impunidade giratória


Alexandre Andrade

Luz no fim do túnel


Andre Uebe

Pedaloterapia


Walber Gonçalves de Souza

A mulher e a vassoura


VER MAIS ARTIGOS